Início

10º Festival e Academia Internacional de Metais Graves · Alcobaça

24 a 28 de agosto de 2020

Saber mais

Sobre o Festival

O Gravíssimo! é um Festival Internacional de Metais Graves sob a direção artística dos músicos Sérgio Carolino (tuba) e Hugo Assunção (trombone), que visa mostrar aos seus participantes e ao público em geral a versatilidade destes instrumentos, trabalhando vários estilos de música. Realizado anualmente em Alcobaça, na última semana de agosto, o festival agrega um número significativo de participantes, nacionais e internacionais, provenientes dos mais diversos backgrounds culturais e artísticos. Ao longo dessa semana promove-se a aprendizagem através da partilha de experiências entre todos e com os artistas e professores convidados, de reconhecido valor internacional.
 
A par do trabalho de Academia, entre masterclasses e workshops, o Gravíssimo! apresenta também uma forte componente artística trazendo ao público em geral a possibilidade de verem as performances dos artistas convidados e dos participantes envolvidos através de uma programação diária de concertos, que lhe valeu o reconhecimento de Remarkable Festival pela EFA (European Festivals Association) através da atribuição do selo EFFE (Europe for Festivals, Festivals for Europe) a partir de 2017.
Regulamento

Notícias

Agenda

Informações e Inscrições

Inscrições abertas!


Contactos

Academia de Música de Alcobaça
Rua Frei António Brandão N.º 50-52
Apartado 530 2460-047 Alcobaça

E-mail: prod@academiamalcobaca.com
Tel: 262 597 611

Apoios

Estrutura financiada por

Parceria Institucional

Apoio Institucional

Parcerias Media

Viatura oficial

Organização e produção

Estão abertas as inscrições para a próxima edição do Gravíssimo!

6 Mar 2020

Estão oficialmente abertas as inscrições para a próxima edição do Gravíssimo! que volta a decorrer em Alcobaça de 24 a 28 de agosto e cujo período de inscrições tem duas fases distintas, entre os dias 1 de março e 15 de julho, com os seguintes valores: €100 (1 de março a 31 de maio) e €120 (1 de junho a 15 de julho). A inscrição de alunos da Academia de Música de Alcobaça e de músicos da Banda Sinfónica de Alcobaça tem a taxa única de €90.

O Gravíssimo! é um Festival Internacional de Metais Graves sob a direção artística dos músicos Sérgio Carolino (tuba) e Hugo Assunção (trombone), que visa mostrar aos seus participantes e ao público em geral a versatilidade destes instrumentos, trabalhando vários estilos de música.

Nos últimos dias, alguns dos nomes confirmados para a próxima edição foram avançados, entre os quais já se contam músicos convidados como Gene Pokorny (tuba), Demondrae Thurman (eufónio), Anthony Caillet (eufónio), Thomas Rüedi (tuba) e David Taylor (trombone baixo).

Cistermúsica e Gravíssimo! na lista de finalistas do Iberian Festival Awards

10 Fev 2020

Gala de atribuição de prémios realiza-se no dia 14 de março no Grande Auditório da Feira Internacional de Lisboa

O Cistermúsica – Festival de Música de Alcobaça e o Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves de Alcobaça, organizados pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça em parceria com o Município de Alcobaça, estão na lista de finalistas da próxima edição dos Iberian Festival Awards, anunciada esta semana. Os Iberian Festival Awards visam distinguir os melhores festivais que se realizam em Portugal e Espanha, e inserem-se na 9ª edição do Talkfest – International Music Festivals Forum, iniciativa promovida pela Associação Portuguesa de Festivais de Música que ocorrerá maioritariamente na cidade de Lisboa, em paralelo e parceria com a BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa, entre os dias 11 e 15 de março.

Previsto para o período de 26 de junho a 31 de julho, o Cistermúsica acaba de anunciar o primeiro concerto da programação OFF, marcado para dia 21 de junho, no Mosteiro de Alcobaça, que contará com o músico brasileiro Lenine e que antecede o arranque da programação principal do festival que, em 2020, pretende evocar duas das grandes efemérides do ano: os 250 anos do nascimento de Beethoven e os 500 anos da Circum-navegação. Considerado um dos mais prestigiados e consolidados festivais de música clássica do país, o Cistermúsica promove ainda o cruzamento da música erudita com outras perspetivas artísticas, indo ao encontro de um público mais vasto e diversificado.

Já o Gravíssimo! tem anunciadas as datas da sua 10ª edição, marcada entre os dias 24 e 28 de agosto, que terá lugar, como tem sido hábito, na Academia de Música de Alcobaça, no Cine-Teatro de Alcobaça – João d’Oliva Monteiro e em vários espaços do Mosteiro de Alcobaça. Sob a direção artística dos músicos Sérgio Carolino (tuba) e Hugo Assunção (trombone), este festival abre as suas inscrições a partir do dia 1 de março, permitindo a todos os potenciais participantes, nacionais e estrangeiros, oriundos dos mais diversos backgrounds culturais e artísticos, a aprendizagem e a partilha de experiências com artistas e professores convidados de reconhecido valor internacional através de várias masterclasses, workshops e concertos – estes últimos igualmente abertos ao público geral.

Iberian Festival Awards voltam a nomear Cistermúsica e Gravíssimo!

5 Dez 2019

Festivais de Alcobaça tornam a constar na lista de nomeados para os prémios que distinguem os melhores festivais de Portugal e Espanha

O Cistermúsica – Festival de Música de Alcobaça e o Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves, organizados e produzidos pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça integram, pelo segundo ano consecutivo, a sua presença na lista de nomeados da 5ª edição dos Iberian Festival Awards.

O Cistermúsica volta a estar nomeado em duas categorias: Best Small Festival e Best Cultural Programme. Na primeira categoria, destinada a eventos com capacidade até 1500 espetadores por dia, o Cistermúsica destaca-se como um dos poucos festivais de música clássica a concurso e conta com a votação do público, até 7 de janeiro, para obter este galardão.

A decisão da segunda categoria compete a um júri, que irá apreciar a multidisciplinariedade da sua programação, facto que comprova a consistência atingida durante a edição de 2019, ao proporcionar várias atividades culturais complementares à Programação Principal, privilegiando a interação com a comunidade, tais como ateliers para bebés, workshops de fotografia, visitas guiadas, conferências e espetáculos participativos.

Já o Gravíssimo! concorre para Best Academic & Youth Festival, categoria que assenta na perfeição a este Festival e Academia Internacional de Metais Graves que promove o contacto de prestigiados músicos com jovens estudantes, mas que tem também as portas abertas ao público geral, através de concertos que exploram a sonoridade grave dos metais em vários registos: da música de câmara ao jazz.

Ambos os festivais já avançaram as datas para o ano de 2020, após a divulgação dos resultados do concurso da Direção-Geral das Artes que ditaram a mais alta classificação na área da Música, a nível nacional, aos projetos artísticos da Banda de Alcobaça / Academia de Música de Alcobaça, confirmando-os como “uma referência no panorama nacional”.

Em 2020, o Cistermúsica regressa de 26 de junho a 31 de julho, prosseguindo a missão de aproximação do grande público à música erudita e evocando duas grandes efemérides: os 250 anos do nascimento de Beethoven e os 500 anos da Circum-navegação. Por sua vez, o Gravíssimo! – evento único, do género, no país – acontece na última semana do mês de agosto, altura em que Alcobaça acolhe participantes nacionais e internacionais que, ao longo de 5 dias, tornam a cidade na “capital dos metais graves”.

Estas duas atividades artísticas estruturantes do projeto cultural da Banda de Alcobaça contabilizaram, nas suas edições de 2019, mais de 10 mil espetadores, em mais de cinco dezenas de espetáculos que contaram com centenas de participantes nacionais e internacionais. Os resultados dos Iberian Awards serão conhecidos a 14 de março de 2020, por ocasião da 9ª edição do Talkfest - International Music Festivals Forum, em Lisboa.

Regulamento da próxima edição do Gravíssimo! já está disponível

16 Abr 2019

Preços e prazos de inscrição para o 9.º Festival e Academia Internacional de Metais Graves de Alcobaça podem ser consultados no site do festival

Já está disponível o regulamento para o Gravíssimo! 9.º Festival e Academia Internacional de Metais Graves de Alcobaça, que irá decorrer em Alcobaça de 26 a 30 de agosto e cujo período de inscrições tem duas fases distintas, entre os dias 1 de maio e 16 de agosto, com os seguintes valores: €100 (1 de maio a 30 de junho) e €120 (1 de julho a 16 de agosto). A inscrição de alunos da Academia de Música de Alcobaça tem a taxa única de €90.

O Gravíssimo! é um verdadeiro acontecimento no domínio dos metais graves realizado anualmente na última semana de agosto, sob a direção artística dos músicos Sérgio Carolino (tuba) e Hugo Assunção (trombone), que visa mostrar aos seus participantes e ao público em geral a versatilidade destes instrumentos, trabalhando vários estilos de música.

Nos últimos dias, alguns dos nomes confirmados para a próxima edição foram avançados, entre os quais já se contam músicos convidados como Gene Pokorny (tuba), Robin Eubanks (trombone), Anthony Caillet (eufónio), Jon Hansen (tuba), Ricardo Antão (eufónio) e Nuno Martins (trombone).

Consultar o regulamento para a próxima edição aqui »

 

Festivais Cistermúsica e Gravíssimo! voltam a ser distinguidos com selo de qualidade europeu

8 Fev 2019

Atribuição do EFFE – Europe for Festivals, Festivals for Europe – de Remarkable Festival premeia a qualidade artística e o envolvimento com as comunidades locais

O Cistermúsica – Festival de Música de Alcobaça e o Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves voltaram a ser agraciados, para o biénio 2019-2020, com o selo de qualidade EFFE – Europe for Festivals, Festivals for Europe – de Remarkable Festival, distinção atribuída pela EFA – European Festivals Association, com o apoio da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu, concedida pela qualidade artística da sua programação, bem como pelo seu envolvimento com as comunidades locais e projeção internacional.

Com a atribuição deste selo, o Cistermúsica e o Gravíssimo! foram convidados a marcar presença no EFFE MeetUp de Lisboa a 15 e 16 Abril deste ano, assim como em 2020 em Galway (Irlanda) no contexto do Arts Festivals Summit, organizado anualmente pela EFA. Ambos foram ainda automaticamente colocados na competição pelos prémios EFFE, cujo júri internacional anunciará uma shortlist em julho próximo e a decisão final até setembro.

O selo EFFE constitui-se assim como uma importante porta de entrada na Europa para ambos os festivais, organizados pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça em parceria com o Município de Alcobaça, beneficiando de campanhas internacionais de promoção, conferências de imprensa e ainda de acesso a uma fundamental plataforma de networking internacional, de que é exemplo a integração destes eventos no guia internacional FestivalFinder.eu.

Gravíssimo! é um dos finalistas (TOP10) na categoria Best Academic Festival dos Iberian Festival Awards

31 Jan 2019

Vencedor será conhecido a 13 de março numa gala no Teatro Afundación de Vigo que terá transmissão web, rádio (direto) e TV (diferido)

O Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves, organizado pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça em parceria com o Município de Alcobaça, é um dos finalistas (TOP10) na categoria Best Academic Festival para a 4.ª edição dos Iberian Festival Awards, organização da APORFEST – Associação Portuguesa de Festivais de Música que tem como objetivo distinguir os melhores festivais que se realizam em Portugal e Espanha.

Refira-se que os Iberian Festival Awards, incluídos no Talkfest – 8.º Fórum Internacional dos Festivais de Música, tiveram, segundo a organização, um record do número de candidaturas e uma maior qualidade na informação fornecida pelos seus responsáveis, facto que valoriza ainda mais a eleição para as shortlists daquele que é o único festival e academia de metais graves realizado no nosso país e uma verdadeira referência internacional.

Aliando a qualidade da formação académica a uma crescente identidade artística na programação do festival Gravíssimo!, que desde 2013 mantém dupla direção artística dos consagrados músicos Sérgio Carolino (tuba) e Hugo Assunção (trombone), este é um projeto que agrega inúmeros participantes, nacionais e internacionais, oriundos de diversos backgrounds culturais e artísticos, reconhecido internacionalmente, desde 2015, com o selo EFFE “Remarkable Festival”, pela European Festivals Association em conjunto com a União Europeia, em dois biénios consecutivos (2015-2016 e 2018-2019).

Festivais Cistermúsica e Gravíssimo! nomeados para os Iberian Festival Awards

6 Dez 2018

Duas das categorias a que concorrem podem ser votadas pelo público até 31 de dezembro

O Cistermúsica – Festival de Música de Alcobaça e o Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves, organizados pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça em parceria com o Município de Alcobaça, integram a lista de nomeados para a 4.ª edição dos Iberian Festival Awards, revelada esta semana. Os Iberian Festival Awards visam distinguir os melhores festivais que se realizam em Portugal e Espanha, e inserem-se no Talkfest – 8.º Fórum Internacional dos Festivais de Música, iniciativas promovidas pela Associação Portuguesa de Festivais de Música que decorrem em março próximo, em Vigo e Lisboa, respetivamente.

Os festivais Cistermúsica e Gravíssimo encontram-se nomeados para 3 das 22 categorias a concurso e constituem um caso único no panorama ibérico, pois não existe nenhuma outra entidade, pelo menos fora da lógica dos grandes festivais, com dois festivais incluídos nesta competição, ainda para mais sendo ambos realizados numa cidade média de Portugal: Alcobaça (embora o Cistermúsica apresente uma parte da programação noutros concelhos do país através de redes de cooperação cultural que foi estabelecendo ao longo dos últimos anos).

O Cistermúsica procura o reconhecimento em duas frentes: Best Small Festival e Best Cultural Programme. Na primeira categoria, destaca-se como um dos poucos festivais de música clássica a concurso e, dentro deste leque, será porventura o mais ecléctico (não sendo por acaso que o tema da edição de 2018 foi “Música Sem Fronteiras”), uma vez que a programação inclui todo os tipos de agrupamentos, desde recitais até a grandes orquestras sinfónicas passando ainda por grupos vocais e de música de câmara que apresentam, anualmente, obras de todos os períodos da história da música. Também a multidisciplinariedade da sua programação, desenvolvida pela vertentes Júnior e Famílias (dedicada a atividades educativas e didáticas) e OFF (que inclui outros domínios artísticos e géneros musicais para além da música erudita, como foi o caso em 2018 da dança contemporânea, jazz, cinema, teatro inclusivo, entre outros) torna-o um forte candidato à segunda categoria acima referida, que será decidida por um júri.

Por sua vez, o Gravíssimo, o único festival e academia de metais graves que se realiza no nosso país e que já é uma referência internacional, procura obter o reconhecimento de Best Academic Festival, categoria na qual se distingue dos demais candidatos por aliar a formação académica à dimensão de festival de música. A votação para as 13 categorias decididas pelo público, entre as quais as referidas Best Small Festival e Best Academic Festival, já estão disponíveis no site do Talkfest e decorrem até 31 de dezembro. Os vencedores serão conhecidos a 13 de Março, numa gala que terá lugar no Teatro Afundación, em Vigo, e na qual os festivais de Alcobaça procuram mais um reconhecimento pelo trabalho de excelência.

Note-se que, quer o Cistermúsica, quer o Gravíssimo, têm obtido reconhecimento internacional nos últimos anos, particularmente, com a atribuição do selo EFFE “Remarkable Festival”, pela European Festivals Association em conjunto com a União Europeia, em dois biénios consecutivos (2015-2016 e 2018-2019). Ambos os festivais têm uma forte ligação com o património programando a maioria das suas atividades no Mosteiro de Alcobaça (Património da Humanidade) e entre outros objetivos artísticos está a valorização dos jovens valores nacionais e internacionais. Em 2018, quer o Cistermúsica (26ª edição) quer o Gravíssimo (8ª edição) voltaram a ser objeto das melhores críticas e um sucesso de público com muitos dos seus concertos e outros eventos paralelos esgotados.

Patrocinador Yamaha destaca Gravíssimo! na sua página oficial e a presença de Thomas Lubitz

29 Ago 2018

A Yamaha, habitual patrocinador do Gravíssimo!, destacou na sua página oficial a 8.ª edição do Festival e Academia Internacional de Metais Graves em Alcobaça sublinhando algumas novidades que irá apresentar, tais como os novos bombardinos YEP-642TS e o YEP-842TS com o novo sistema de trigger, e o ciclo de conferências, intitulado “Coisas Importantes".

Este ciclo de conferências, dedicado a abordar temas relacionados com a prática artística e/ou com a realidade profissional de um músico, contará nomeadamente com a presença de Thomas Lubitz (especialista de pesquisa e desenvolvimento da Yamaha) que neste capítulo marcará presença hoje às 14h00 no Mosteiro de Alcobaça.

Refira-se ainda que o novo Yamaha SX é o piano oficial do 8º Festival e Academia Internacional de Metais Graves de Alcobaça, assegurado pelo parceiro oficial Neto Rocha (Programa de Patrocínio de Concertos – Yamaha Premium Pianos).

Podem consultar a notícia na íntegra aqui »

Gravíssimo! está em ação com inúmeros concertos até ao próximo dia 31 de agosto

28 Ago 2018

8.ª edição do Festival e Academia Internacional de Metais Graves em Alcobaça com alguns dos mais consagrados instrumentistas nacionais e internacionais

De 27 a 31 de agosto, o som dos metais graves volta à cidade de Alcobaça, com a 8.ª edição do Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves a demonstrar a versatilidade destes instrumentos e a manter o padrão elevado das últimas edições, ao reunir alguns dos mais consagrados instrumentistas nacionais e internacionais.

Organizado pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça, sob a direção artística dos conceituados músicos Sérgio Carolino e Hugo Assunção, o Gravíssimo! é o único festival e academia de metais graves que se realiza no nosso país e que já é uma referência internacional, com reconhecimento europeu como Remarkable Festival através do selo EFFE (Europe for Festivals, Festivals for Europe).

Ao longo de uma semana, David Taylor, Marshall Gilkes, Daniel Perantoni, Oren Marshal, Demondrae Thurman e Mike Forbes são os grandes vultos dos metais graves que vão passar conhecimentos e desenvolver trabalho, em ensemble e ao nível da técnica individual, com os participantes, que este ano somam meia centena, oriundos de 5 países.

Além desta interação de prestigiados músicos com jovens artistas, o festival tem também as portas abertas ao público geral, com a apresentação de recitais e concertos que exploram a sonoridade grave dos metais em vários registos, da música de câmara ao jazz.

Depois do concerto de abertura com lotação cheia na passada segunda-feira, 27 de agosto, com a apresentação do disco “Full Tilt”, dos Transatlantic Tuba Connection, hoje há um recital de solistas de eufónio e tubas no Cine-Teatro de Alcobaça – João d'Oliva Monteiro, às 21h00, e na quarta-feira, dia 29 de agosto, teremos um recital de solistas de trombones tenores e baixos no Claustro D. Afonso VI do Mosteiro de Alcobaça (no mesmo horário).

Na quinta-feira, dia 30 de agosto, é dia de recital de jovens talentos, novamente no Claustro D. Afonso VI, às 18h30, que antecede o concerto duplo com Dopey Monkey e Oren Marshall, às 22h00, na Adega dos Balseiros, no Museu do Vinho de Alcobaça.

O concerto de encerramento está marcado para as 22h00 de sexta-feira, na Ala Sul do Mosteiro de Alcobaça, com R’B & Mr. SC + Marshall Gilkes, sendo este o único espetáculo gratuito. Para os restantes concertos do Gravíssimo!, os bilhetes custam €5, com exceção do recital de jovens talentos, que custa €3.

Será uma semana com muito groove e uma programação ecléctica e de nível internacional que confirma o Gravíssimo! como um verdadeiro acontecimento musical. O Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves conta com o financiamento da D.G.Artes/Ministério da Cultura e da Câmara Municipal de Alcobaça, com a parceria institucional da DGPC e o apoio de relevantes marcas de instrumentos musicais da área dos metais graves.

Gravíssimo! 2018, a 8.ª edição do festival e Academia Internacional de Metais Graves vai voltar a mexer com Alcobaça

22 Ago 2018

É já a partir da próxima segunda feira, dia 27 de agosto, que as vibrações dos metais graves vão voltar a mexer com a cidade de Alcobaça. Músicos convidados de renome internacional, alunos provenientes de vários países e a brilhante direção artística dos conterrâneos Sérgio Carolino e Hugo Assunção, garantem o nível de qualidade do Festival que se tem vindo a afirmar mundialmente no campo dos Metais Graves.

Para além das atividades formativas, caraterística distintiva do Festival, o Gravíssimo! apresenta concertos todos os dias, com uma programação eclética e diversificada que envolve vários espaços marcantes da cidade, de entre os quais destacamos o Mosteiro de Alcobaça e o Museu do Vinho.

Espreite o nosso cartaz, marque na sua agenda e não deixe passar a oportunidade de ver grandes nomes da cena internacional.

Agenda de Concertos

Facebook

 

8ª edição do Gravíssimo! tem as suas inscrições oficialmente abertas

14 Mai 2018

Regulamento e ficha de inscrição online para o 8º Festival e Academia Internacional de Metais Graves já se encontram disponíveis

Já estão abertas as inscrições para o Gravíssimo! 8º Festival e Academia Internacional de Metais Graves, evento que irá decorrer em Alcobaça de 27 a 31 de agosto e cujo período de inscrições tem três fases distintas, entre os dias 14 de maio e 17 de agosto, com os seguintes valores: €100 (14 de maio a 15 de junho), €120 (16 de junho a 15 de julho) e €150 (16 de julho a 17 de agosto). A inscrição de alunos da Academia de Música de Alcobaça tem a taxa única de €90.

O Gravíssimo! é um verdadeiro acontecimento no domínio dos metais graves realizado anualmente na última semana de agosto, sob a direção artística dos músicos Sérgio Carolino (tuba) e Hugo Assunção (trombone), que visa mostrar aos seus participantes e ao público em geral a versatilidade destes instrumentos, trabalhando vários estilos de música.

A par do trabalho de Academia, entre masterclasses e workshops, o Gravíssimo! apresenta também uma forte componente artística trazendo ao público em geral a possibilidade de verem as performances dos artistas convidados e dos participantes envolvidos através de uma programação diária de concertos.

Conhece todo o regulamento aqui»

Marca na tua agenda: de 27 a 31 de agosto o Gravíssimo! regressa para a sua 8ª edição

27 Mar 2018

Festival dirigido pelos consagrados músicos alcobacenses Sérgio Carolino e Hugo Assunção abrirá inscrições em breve

A Academia de Música de Alcobaça (AMA) já está a preparar o próximo Gravíssimo! Festival e Academia Internacional de Metais Graves, projeto ambicioso que caminha para a sua 8ª edição e se realizará entre os dias 27 e 31 de agosto, prometendo mais uma vez ser um verdadeiro acontecimento musical no domínio dos instrumentos de metais graves.

Com a direção artística dos consagrados músicos alcobacenses Sérgio Carolino e Hugo Assunção, Gravíssimo! realiza-se na AMA e no Cine-Teatro de Alcobaça – João d'Oliva Monteiro, sendo um evento destinado especialmente aos estudantes de música de Conservatórios, Escolas Profissionais, Academias, Institutos Politécnicos e Universidades, acolhendo ainda a participação de músicos amadores que estejam interessados em desenvolver o seu nível técnico e artístico.

Sérgio Carolino (Tuba Principal da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Artista Internacional Yamaha, Professor na Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo do Instituto Politécnico do Porto) e Hugo Assunção (Primeiro Trombone da Orquestra Sinfónica Portuguesa, Professor de Trombone na Universidade de Évora e na Escola Superior de Música de Lisboa) serão, tal como é hábito, os anfitriões em terras de Cister, acolhendo neste evento músicos das mais diversas proveniências e backgrounds.

Gravíssimo! teve em 2017 a maior e mais internacional edição de sempre

21 Set 2017

Festival e Academia Internacional de Metais Graves voltou a mexer com Alcobaça apostando em muitas estreias e inovações

Foi o maior e mais internacional Gravíssimo! de sempre: em 2017 o Festival e Academia Internacional de Metais Graves ofereceu a Alcobaça a sua edição com o maior número de participantes, 79 alunos inscritos a par de 28 professores e músicos convidados, salientando-se ainda pela maior participação de sempre de elementos do sexo feminino, com um registo de 10 inscritas, mas também pela participação mais internacional de alunos na sua história, oriundos de 8 países diferentes, Portugal, Espanha, Itália, Japão, Rússia, Escócia, Dinamarca e Suíça, assim como de professores, vindos de Portugal, EUA, Suíça, Áustria, Brasil, Finlândia, Noruega, Eslovénia e Japão.

Mas nem só de números se fez o mais recente Gravíssimo!: a realização, pela primeira vez, de um Recital de Jovens Talentos foi claramente uma aposta ganha da direção artística composta pelos músicos alcobacenses Sérgio Carolino e Hugo Assunção, bem como o convite a compositores residentes, 4 portugueses e 1 norueguês, que resultou este ano em 6 estreias mundiais: obras de Torstein Aagaard-Nilsen (1), Anne Victorino d'Almeida (2), Daniel Bernardes (1), Luís Cardoso (2) – tendo havido igualmente uma estreia europeia de Torstein Aagaard-Nilsen. Refira-se que foi ainda tocada uma obra do compositor residente Luís Cardoso de 2016 vencedora do Harvey Phillips Awards Prize for Excellence in Composition da ITEA (International Tuba Euphonium Association).

Outro dos principais destaques do cartaz foi o concerto dos TGB, inserido no ciclo de espetáculos Mosteiro de Alcobaça/Lugares Património Mundial da Região Centro, que na noite de 31 de agosto, levou perto de 500 espetadores à Ala Sul do Mosteiro de Alcobaça, num espetáculo de entrada livre, sem esquecer que em matéria de concertos (7) houve muitos outros grupos a marcar a sua passagem pela cidade: MASSIVE BRASS ATTACK!, T'NT "Tuba 'N Tuba", Yamaha Tuba Duo, Tubhonium Sketches, AntiTrio, Trio daBarca, The Devil's Blow - Tuba uNIT! feat. Jon Sass, Rythm Bones e SubWoof3r Trio.

Tudo isto não teria sido possível sem os vários apoios e os patrocinadores agregados que, mais uma vez, muito contribuíram para o sucesso desta iniciativa apostada em colocar os instrumentos de metais graves em primeiro plano, promovendo por outro lado a troca e a partilha de experiências multiculturais e artísticas entre os diferente intervenientes.

Concerto de Abertura alterado do Mosteiro de Alcobaça para o Cine-Teatro de Alcobaça

28 Ago 2017

O Concerto de Abertura do Gravíssimo! amanhã, às 21h00, previsto para o Mosteiro de Alcobaça foi alterado para o Cine-Teatro de Alcobaça devido à inconstância das condições meteorológicas durante os dias de hoje e amanhã, razões às quais a organização é totalmente alheia.

Pelo facto, a Direção do Festival e Academia Internacional de Metais Graves pede as mais sinceras desculpas, reafirmando que este Concerto se realizará no mesmo horário estabelecido.

Relembramos ainda que este concerto, intitulado "aBRASSsivo", contará com o Jovem Ensemble Português de Metais e Percussão Massive Brass Attack! e os seguinte solistas: Sérgio Carolino, Shimpei Tsugita, Gene Pokorny, Gabriel Antão, David Bruchez, Ricardo Carvalhoso, Justin Clark e Ricardo Antão.

 

Cinco dias de olhos postos na versatilidade dos metais graves

24 Ago 2017

Gravíssimo! traz-nos 7 concertos e recitais com músicos vindos dos quatro cantos do mundo
 
De 29 de agosto a 2 de setembro, a sétima edição do Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves traz à cidade de Alcobaça, que se transforma na Capital Mundial dos Metais Graves, alguns dos mais consagrados nomes internacionais.
 
Vindos dos quatro cantos do mundo, desde o Japão aos Estados Unidos da América, passando pela Noruega, Suíça, Áustria, Eslovénia e Brasil, os músicos reúnem-se em Alcobaça para partilhar experiências e transmitir conhecimentos a cerca de 90 alunos inscritos, de 8 nacionalidades diferentes.
 
Sob a habitual direção artística dos reconhecidos músicos alcobacenses Sérgio Carolino e Hugo Assunção, o Gravíssimo!, que pretende demonstrar a versatilidade dos metais graves, explora a música em vários registos, da música de câmara ao jazz, centrando-se no desenvolvimento do trabalho artístico em ensemble e na melhoria contínua da técnica individual dos participantes.
 
Durante cinco dias, os sete concertos e recitais do Gravíssimo!, que contam com apresentações de várias músicos portugueses e internacionais, terão como palco dois dos lugares mais emblemáticos da cidade: o Mosteiro de Alcobaça e o Museu do Vinho.
 
Um dos principais destaques do cartaz é o concerto dos TGB, inserido no ciclo de espetáculos Mosteiro de Alcobaça/Lugares Património Mundial da Região Centro, que a 31 de agosto, quinta-feira, pelas 22h30, atuam em frente à Ala Sul do Mosteiro de Alcobaça, num espetáculo de entrada livre.
 
O Recital de Solistas, marcado para dia 1 de setembro, às 21 horas no Claustro D. Afonso VI do Mosteiro de Alcobaça, antecede outro momento alto do programa do Gravíssimo!, o concerto The Devil’s Blow – Tuba Unit! feat Jon Sass, às 22h45, também em frente à Ala Sul do monumento e com entrada gratuita.
 
De ano para ano, o Gravíssimo!, organizado e produzido pela Banda de Alcobaça/Academia de Música de Alcobaça (AMA), tem atraído a atenção de um público cada mais vasto e numeroso e, atualmente, é uma iniciativa com larga repercussão a nível internacional, com reconhecimento europeu como Remarkable Festival através do selo EFFE (Europe for Festivals, Festivals for Europe).
 
O Gravíssimo! não tem dado cartas apenas no mundo da música e esta quinta-feira viu o seu site selecionado para a galeria do CSS Light, uma plataforma que apresenta e promove novos talentos e tendências no mundo do design, destacando características únicas a nível de apresentação, criatividade, estética e codificação.
 
Depois do êxito das últimas edições, a organização pretende continuar a elevar o nome do festival que, além de receber prestigiados nomes do mundo da música dos metais graves, promove jovens artistas, encontros, concertos e experiências ímpares, tanto para os alunos inscritos como para o público assistente.
 
Motivos não faltam para que, entre 29 de agosto e 2 de setembro, o público regresse a Alcobaça e marque presença na sétima edição do Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves, um verdadeiro acontecimento musical no domínio dos instrumentos de metais graves.
 

Gravíssimo! volta a fazer de Alcobaça a capital do mundo dos metais graves de 29 de agosto a 2 de setembro

20 Jun 2017

Estão abertas as inscrições para festival liderado pelos consagrados músicos alcobacenses Sérgio Carolino e Hugo Assunção

29 de agosto a 2 de setembro: estas são as datas deste ano em que a Academia de Música de Alcobaça (AMA) volta a promover o Gravíssimo! 7º Festival e Academia Internacional de Metais Graves, verdadeiro acontecimento musical no domínio dos instrumentos de metais graves que, depois de seis edições, este ano torna a assumir mais uma etapa no seu ambicioso percurso.

Com a habitual direção artística dos consagrados músicos alcobacenses Sérgio Carolino e Hugo Assunção, Gravíssimo! realiza-se na AMA e no Cine-Teatro de Alcobaça – João d'Oliva Monteiro e tem agora as suas inscrições abertas, sendo um evento destinado especialmente aos estudantes de música de Conservatórios, Escolas Profissionais, Academias, Institutos Politécnicos e Universidades, acolhendo ainda a participação de músicos amadores que estejam interessados em desenvolver o seu nível técnico e artístico.

Sérgio Carolino (Tuba Principal da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Artista Internacional Yamaha, Professor na Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo do Instituto Politécnico do Porto) e Hugo Assunção (Primeiro Trombone da Orquestra Sinfónica Portuguesa, Professor de Trombone na Universidade de Évora e na Escola Superior de Música de Lisboa) são de novo os anfitriões em terras de Cister, acolhendo neste evento músicos das mais diversas proveniências e backgrounds.

Faça o download da respetiva Ficha de Inscrição (contém biografias, regulamento, modalidades de inscrição, etc.):

Versão Portuguesa »

Versão Inglesa »

 

Anthony Caillet

Eufónio

Anthony Caillet começou a tocar eufónio com uma tenra idade e pouco tempo antes de o instrumento ter ganho o sucesso que ainda hoje detém em França. Diplomado no Conservatoire Supérieur de Paris e premiado nas competições internacionais mais prestigiadas, bem como nos palcos de música jazz, Anthony diz-nos que “tudo é possível com um eufónio”! Prova disso são as suas participações nas orquestras mais notáveis (Orchestre de Paris, Orchestre National de France, Ensemble Inter-Contemporain…) e em formações de pequenas dimensões (Bokeh Tuba Quintet, Smoking Mouse, Melusine…). Viaja pelo mundo inteiro como solista ou com grupos e cria novas obras por encomenda de compositores e músicos das mais variadas origens musicais. Tem a capacidade de abrir novos horizontes para si próprio e para os outros músicos. É artista Yamaha.

 

Gene Pokorny

Tuba

Gene Pokorny toca tuba na Chicago Symphony desde 1989. Integrou antes a Israel Philharmonic, a Utah Symphony, a St. Louis Symphony e a Los Angeles Philharmonic. Além de ter tocado em bandas sonoras de filmes de Hollywood (“Jurassic Park”, “O Fugitivo”, entre outros), atua em grupos de música de câmara, orquestras de ópera e festivais de orquestras em todo o mundo. O homem chegou à lua há exatamente 50 anos (julho de 1969) e a nave espacial Apollo, que fez esta viagem, foi construída a 1km e meio de distância do sítio onde Gene Pokorny cresceu. Estudou na University of Southern California com Jeffrey Reynolds, Larry Johansen, Tommy Johnson e Roger Bobo. Quando não está a contar compassos de espera na fila de trás do palco da Orchestra Hall, Gene dá formações em todo o mundo e faz de assistente ao trombonista dos Rolling Stones, Michael Davis, para a publicação de vários livros de aquecimento. Tem participado em diversas gravações pedagógicas e a solo.

Recebeu um Outstanding Alumnus Award e um Doutoramento Honoris Causa respetivamente pela University of Southern California e a University of Redlands. É membro da Union Pacific (Railroad) Historical Society, é portanto um “foamer” (gosta de ir à procura e de observar os comboios). Possui o cartão de associado da The Three Stooges Fan Club (vítima de “soicumstance”) e é um ávido entusiasta do seu grande amigo David “Red” Lehr, o melhor sousafonista Dixieland de todo o universo. Gene e a sua esposa Beth Lodal (também tubista) e os seus basset hounds (que não é músico e tem uma vida real), frequentemente exploram o seu frigorífico, situado no Edgewater, periferia de Chicago.

Sérgio Carolino

Tuba

Colecionador de obras, discos, prémios, elogios, reputação, óculos escuros, hashtags e selfies. Fonte de criatividade e virtuosismo. Eclético, original e visionário. Curioso por definição. Aventureiro por opção. Dono de um coração puro e de Sparky, o Basset Hound. Transpira musicalidade e trabalha para atingir a excelência. Apaixonado pela vida, adora cinema, mitologia, ler, pescar e passar tempo com os seus amigos. Quem se cruza com ele, jamais o esquecerá e sai, desse encontro, humana e profissionalmente mais rico. Desde sempre demonstrou uma grande curiosidade e capacidade para explorar diferentes caminhos e idiomas musicais. Atualmente a sua reputação internacional, estabeleceu-se pelo seu eclectismo, que vai desde a sua interpretação do repertório standard e contemporâneo para tuba e na sua abordagem estilística ao jazz, funk e à música totalmente improvisada. Sérgio Carolino, é um dos mais aclamados tubistas, com atividade constante na qualidade de solista e professor nos mais conceituados festivais, conservatórios e universidades dos cinco continentes.

Recebeu em quatro ocasiões o Roger Bobo Award Prize (2008, 2010, 2012 e 2014), o Prémio de Músico Revelação de Jazz em Portugal (2004), o Prémio Carlos Paredes (2004), o Prémio SPA (2013) na Categoria de Música Erudita, pelas obras editadas em 2012 e ação divulgadora da música portuguesa pelo Mundo. TGB, TUBAX Duo, TUBAB Duo, R’B&MrSC, The Postcard Brass Band, XL Duo, Surrealistic Discussion, Duo AR., SubWoof3r, Tuba&Drums Double Duo, Duo Adamastor, Funky Bones Factory!, Yamaha Tuba Duo, Moderato Tangabile, T’N T, Mr.SC & The Wild Bones Gang, European Tuba Trio, Massive Brass Attack!, Intergalactic Vibes!, Crossfade Ensemble, correm-lhe nas veias. Sérgio Carolino é, desde 2002, tuba solo / principal da Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, Artista Internacional Yamaha, artista exclusivo da Plataforma Artística Palco Improvisado. Toca exclusivamente com bocais, com a sua assinatura, do atelier Brass.Lab MoMo (Osaka, Japão), com a surdina “Mushroom Cup Mute” desenhada e concebida por si e fabricada pelo austríaco Johann Schlipfinger. Sérgio é ainda professor na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE) do Instituto Politécnico do Porto e Diretor Artístico do mundialmente famoso Gravíssimo! – Festival e Academia Internacional de Metais Graves de Alcobaça.

Hugo Assunção

Trombone Tenor

Nasceu em Vestiaria (Alcobaça) em 1969. Em 1983 ingressou no Conservatório Nacional de Música, na Classe do Professor Emídio Coutinho. No seu percurso académico realizou estágios com as mais diversas orquestras de jovens, de onde se destacam a Orquestra Portuguesa da Juventude, Orquestra Sinfónica Juvenil e Orquestra de Jovens do Mediterrâneo. Foi instrumentista convidado com a Orquestra da Fundação Calouste Gulbenkian; Orquestra Régie Sinfonia; Orquestra Clássica do Porto; Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos; Orquestra Clássica da Madeira; Orquestra do Algarve; Orquestra Sinfonietta de Lisboa; Orquestra Metropolitana de Lisboa; Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música; Orquestra Sinfonia Varsóvia; Orquestra de Jazz de Matosinhos e Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal. Entre 1988 e 1992 foi Primeiro Trombone na Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos. Foi membro da Orchestrutópica. Foi membro fundador e principal impulsionador de alguns dos primeiros grupos de metais criados em Portugal: Quinteto de Metais Hot Brass, Decateto de Metais de Lisboa, Ensemble Português de Trombones, Quinteto Português de Metais, Quinteto de Metais da Orquestra Sinfónica Portuguesa. Em 1997 criou o Jornal do Núcleo de Trombonistas da APPIS, primeira publicação especializada criada em Portugal, distribuída para mais de 300 trombonistas por todo o país.

Lecionou na Universidade de Aveiro, na Escola Superior de Música do Porto, na Escola Profissional de Música de Espinho e na Escola Profissional Gualdim Pais em Tomar. Foi Professor de Trombone e Música de Câmara nos Cursos de Música de Pousos (Leiria), Loures e Caldas da Rainha. É regularmente convidado a lecionar Masterclasses em Portugal e no estrangeiro. Organizou cursos com diversos trombonistas, de onde se destacam os conceituados trombonistas de jazz americanos Conrad Herwig, Ed Neumeister e o Primeiro Trombone da Orquestra Filarmónica de Nova Iorque – Joseph Alessi. Em 2006 gravou dois CDs para a editora Afinaudio, um projeto a solo – Vox Gabrieli, e um outro como líder do Ensemble Português de Trombones – A Different Era. Em 2012 gravou um CD duplo com o grupo Mr. SC & The Wild Bones Gang, premiado com o 2014 Roger Bobo Award Prize for Excellence in Recording. Em agosto de 2014 gravou um segundo disco com o grupo Mr SC & The Wild Bones Gang, participando como solista ao lado de nomes como Eugene Pokorny (tuba solo da Orquestra de Chicago), Shimpei Tsugita (tuba solo da Yomiuri Nippon Symphony Orchestra), Eijiro Nakagawa (trombone/compositor e artista Yamaha) e Demondrae Thurman (eufónio, Sotto Voce Quartet).

Em novembro de 2016 gravou um disco com o grupo Crossfade em colaboração com Daniel Bernardes (piano e líder do projeto), João Barradas (acordeão), Sérgio Carolino (tuba), Ricardo Toscano (saxofone e clarinete), Jeffrey Davis (vibrafone) e Mário Marques (saxofone). Em 2016 foi o Diretor Musical dos The BellsBrass Ensemble na gravação de um disco em que participou o solista internacional Sérgio Carolino. Em 2017 foi o Diretor Musical convidado a dirigir o ensemble de metais Massive Brass Attack (ESMAE), na gravação de um disco com os solistas internacionais Sérgio Carolino e Nimrod Ron. É, juntamente com o tubista Sérgio Carolino, Diretor Musical de um dos mais conceituados festivais de metais graves a nível internacional, o GRAVÍSSIMO! Festival e Academia Internacional de Metais Graves, que se realiza anualmente em Alcobaça. Leciona as cadeiras de Trombone e Música de Câmara na Escola Superior de Música de Lisboa. Atualmente é Diretor Musical do The BellsBrass Ensemble e do ensemble de metais e percussão ESML Brass Crew, e Diretor Artístico do grupo Mr. SC & the Wild Bones Gang. É Primeiro Trombone/Coordenador de Naipe da Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Rúben da Luz

Trombone Tenor

Trombonista freelancer, vencedor do “Prémio Jovens Músicos”, com colaborações nas orquestras Gulbenkian, Régie do Porto, Clássica da Madeira. Numa vertente pop e jazz, trabalhou com Lenine, Zeca Baleiro, Tito Paris, Waldemar Bastos, Jorge Palma, Ala dos Namorados, The Gift, The Postcard Brass Band, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Deolinda, Uxu Kalhus, Áurea, Orq, Jazz do Hot Clube de Portugal, L.U.M.E., Orq. Jazz de Matosinhos, Bob Stewart, John Ellis, Perico Sambeat, Nelson Cascais, Orq. Jazz de Leiria, Orq. Jazz da Nazaré, etc. Como músico de estúdio, tem crédito em cerca de 60 discos.

Thomas Rüedi

Eufónio

Thomas Rüedi, nascido em Oberwil bei Büren, perto de Berna, Suíça, em 1969, começou a tocar eufónio aos 11 anos. Entre 1991 e 1995 completou a sua formação profissional de música na Inglaterra, pátria dos metais graves. Entre outros, estudou com Phillip McCann e Peter Parkes na Sheffield University e dedicou-se ainda ao estudo de direção de orquestra e de técnicas de arranjo e de composição, áreas que virão a ser marcantes na sua carreira profissional. Ainda nesta altura, começou a atuar com agrupamentos de metais graves de excelência recebendo, em 1999, em Munique, o prémio European Solo Competition, na categoria dos metais graves, marco importante da sua carreira.

As suas atuações como solista têm-no levado a percorrer a Europa, a África, a Ásia e os Estados Unidos. Além disso, integra diversas orquestras sinfónicas e agrupamentos de sopros e de metais graves. Numa constante procura de novas tonalidades, Thomas Rüedi formou o duo “Synthesis”, junto com o virtuoso músico de marimbafone Raphael Christen, mostrando, indubitavelmente, como a combinação entre os sons dos dois instrumentos pode ser capaz de criar uma união perfeita. Quer a produção com o duo do disco “Synthesis”, quer a gravação como solista de “Elégie”, têm recebido reconhecimento a nível internacional.

Thomas Rüedi está também fortemente empenhado na área da educação. É professor de eufónio na Bern University of the Arts e na Lucerne University of Applied Sciences and Art, bem como formador em masterclasses um pouco por todo o mundo. Como músico de orquestra, integra regularmente a Tonhalle Orchester Zürich e outras orquestras sinfónicas de renome, tais como a Sinfonieorchester des Bayerischen Rundfunks e a Zurich Opera House Orchestra.

Tem mostrado as suas competências como maestro trabalhando com muitos grupos, entre os quais a Brass Band Bürgermusik Luzern (A-Band), que dirigiu entre 1995 e 2002, e a Seeland Brass, entre 1997 e 2006. Como maestro convidado, tem dirigido a Brass Band Berner Oberland, por ocasião dos concursos Swiss Open e European Open, de que saiu vitoriosa, em 2004. Thomas Rüedi é igualmente conhecido pelos seus arranjos e pelas suas composições e no total conta com mais de cinquenta obras para sopros. Os seus arranjos de músicas tradicionais suíças têm tido particularmente sucesso e fazem hoje parte do repertório clássico para sopros e metais.

Ricardo Antão

Eufónio

É professor de Eufónio e Música de Câmara na Universidade de Aveiro, professor de Tuba/Eufónio e Música de Câmara na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE), no Porto, professor de Tuba/Eufónio e Música de Câmara no Conservatório de Música da JOBRA, professor de Tuba/Eufónio na Academia de Música de Paços de Brandão e Artista Yamaha. Entre 2012 e 2017 lecionou Eufónio na Academia de Música de Costa Cabral, no Porto, tendo também lecionado Tuba e Eufónio na Escola Profissional de Artes da Covilhã (EPABI), em 2012/2013. Foi professor convidado no Festival SliderAsia 2017, onde também se apresentou em recital.

É convidado para orientar masterclasses um pouco por todo o país, mantendo também uma grande atividade como solista. É membro fundador dos grupos: Ensemble Português de Tubas “How Low Can You Go?”, Trítono, DualSim, BlindDuo e Dual Soundway. Estreou obras dos compositores André M. Santos, Matthew Murchison, Marco Alves, Daniel Moreira, Daniel Martinho, Filipe Lopes, Bruno Ferreira, Bernardo Lima e Samuel Pascoal. Foi premiado em concursos nacionais e internacionais, tais como: 1º Prémio Nível Júnior, Concurso “Terras de La Salette”, em 2008 e 3º Prémio no International Tuba and Euphonium Competition, Artist Euphonium Division, em Linz, Áustria, em 2012. 

Mauro Martins

Eufónio

Mauro Martins é um jovem eufonista português, que destaca o amor pela música e a dedicação à aprendizagem como combustível da sua carreira. Vencedor do concurso Concours tuba tour 2019, tem realizado recitais com frequência e lecionado Masterclasses pela Europa, América e Ásia. É desde 2019 professor de eufónio na Escola Profissional de Música da Covilhã. Artista Adams, Brass Lab.Momo e Denis Wick.

Gabriel Antão

Trombone Tenor

Gabriel Antão estudou no Conservatório de Aveiro com o professor Luís Castro, prosseguindo estudos na Escola Superior de Música e das Artes do Espetáculo do Porto (ESMAE) na classe dos professores Severo Martinez e David Silva, e mais tarde na Universidade de Artes de Berlim (Alemanha) - como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian - na classe dos professores Stefan Schulz, Andreas Klein e Rainer Vogt. Paralelamente, concluiu o Doutoramento em Educação e Interculturalidade, bem como o Mestrado em Gestão, ambos na Universidade Aberta de Lisboa. Desde 2011 é trombone solista da orquestra Tonkünstler (Áustria) e tem colaborado com diversas orquestras, como por exemplo Wiener Philharmoniker, Wiener Staatsoper, Wiener Volksoper, Opernhaus Zürich, Hamburger Philharmoniker, Rundfunk-Sinfonieorchester Berlin, Deutsches Sinfonieorchester Berlin, entre outras. Gabriel Antão foi premiado com o Prémio Helena Sá e Costa, o Prémio Emory Remington (com a classe de trombones da Universidade de Berlim) o Prémio dos Rotários do Porto, 2°Prémio no Prémio Jovens Músicos, 1° Prémio no Concurso Terras de La Salette e mais recentemente o 1°Prémio ex-aequo com o pianista Pedro Costa no Concurso de Interpretação do Estoril. A nível de música de câmara, é membro do grupo Mr. SC and the Wildbones Gang e colaborou com ensembles como Les Dissonances (Paris), RSBrass (Berlim) e PhilBlech (Viena). Juntamente com o pianista Pedro Costa participou no Festival Cistermúsica de Alcobaça e no Festival Internacional de Música da Póvoa de Varzim e realizou também uma série de concertos com o trompetista Konradin Groth e o pianista Jonathan Alder. Apresentou-se ainda como solista com a Das Sinfonieorchester Berlin na Philharmonie de Berlim, com a Orquestra Sinfónica Portuguesa no Festival ao Largo, com a Orquestra Filarmonia das Beiras, com a Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, com a Orquestra Sinfonietta da ESMAE e com a Banda Sinfónica do Conservatório de Música de Aveiro.

Demondrae Thurman

Eufónio

Demondrae Thurman é considerado uma estrela no seio da formidável geração de solistas de metais graves. A sua forma de tocar eufónio tem sido descrita como “inspiradora” e é considerado um “músico incrível”. Demondrae tem uma firme reputação internacional como solista de eufónio tendo atuado na Europa, Ásia e em toda a América do Norte. Muitas das principais faculdades e universidades da América acolheram-no como intérprete e professor e continua a ser muito requisitado. Nos últimos dez anos, Demondrae tem sido artista convidado em muitos dos prestigiados festivais de eufónio do mundo, incluindo a Conferência Internacional de Tuba/Eufónio, a Conferência de Eufónio da American Army Band Tuba e a Competição Leonard Falcone. Em agosto de 2018, Demondrae junta-se ao corpo docente da Jacobs School of Music na Universidade de Indiana, onde lecionará eufónio e música de câmara para metais. Os seus professores principais são John Stevens, Michael Dunn, James Jenkins e Daniel Drill.

Demondrae é também um músico de câmara ativo. Toca eufónio principal e trombone no muito conceituado Quarteto Sotto Voce, que toca intensivamente. O quarteto lançou três gravações através da editora Summit Records; os quais obtiveram todos ótimas críticas. Viva Voce!: The Complete Quartets of Johns Stevens venceram o Prémio Internacional da Associação de Tuba e Eufónio para melhor gravação de música de câmara em 2006. O quarteto apresentou-se várias vezes no Performance Today aa American Public Media’s. Toca também trompa barítono principal na Brass Band of Battle Creek, uma banda britânica de metais composta por alguns dos melhores instrumentistas de metais e percussão do mundo. Além do seu trabalho na música de câmara, Demondrae é recrutado por orquestras sinfónicas como especialista em eufónio, entre as quais se incluem a Filarmónica de Nova Iorque, a Sinfónica de Atlanta, a Orquestra de Sarasota, a Sinfónica da Carolina do Norte e a Orquestra de Filadélfia.

A par das gravações do Sotto Voce Quartet, Demondrae lançou o seu primeiro disco a solo gravando pela Summit Records em 2005, intitulado Soliloquies. Recebeu um 9/10 da classicstoday.com e foi referido como "tendo ganho (a sua) faixa como um dos melhores intérpretes de eufónio do mundo ”. Evidenciando a sua dedicação a nova música, toda a música do disco foi escrita para ele ou com ele em mente. O seu segundo álbum, Songs of a Wayfarer, foi lançado em 2011. Mais recentemente, o álbum de Demondrae, Snapshots: The Spirit of Collaboration, foi igualmente lançado. Demondrae também pode ser ouvido em registos com a Orquestra Sinfónica de Atlanta, a Brass Band of Battle Creek e a New South Jazz Orchestra. Demondrae Thurman é artista Miraphone e toca exclusivamente o eufónio Miraphone 5050 Ambassador “Edition” que foi projetado especificamente para si. Também usa o personalizado bocal modelo "Demondrae" fabricado pela Warburton Music Products e é artista de trombone da Shires.

David Taylor

Trombone Baixo

Tendo recebido os graus de Bacharel e Mestrado pela The Julliard School of Music, David Taylor iniciou a sua carreira como membro da Orquestra Sinfónica Americana de Leopold Stowkowski, com aparições na Filarmónica de Nova York sob a direção de Pierre Boulez. Simultaneamente, era membro da banda de jazz Thad Jones Mel Lewis e gravou com grupos que iam de Duke Ellington a The Rolling Stones. Gravou também vários CD's a solo nas seguintes editoras: Koch, New World, ENJA, DMP, Tzadik, CIMP, PAU e TLB. Os seus dois novos lançamentos em 2018 na TLB são: And If All Were Dark e Atomic Bomb Blues. Taylor dá recitais e concertos em todo o mundo: do Lincoln Center em NY ao Musikverein em Viena e Suntory Hall no Japão. A par das suas próprias composições, esteve envolvido em dúzias de projetos de encomenda para trombone baixo solo colaborando com compositores como Alan Hovhaness, Charles Wuorinen, George Perle, Frederic Rzewski, Lucia Dlugoszchewski, Eric Ewazen, Dave Liebman e Daniel Schnyder.

Apresentou-se e gravou música de câmara com Yo Yo Ma, Itzhak Perlman e Wynton Marsalis e atua com a Sociedade de Música de Câmara do Lincoln Center, Orquestra do Festival Mostly Mozart, Orfeu e Orquestra de Câmara de St. Luke. Ao longo da sua carreira, Taylor apresentou-se e gravou com grandes artistas populares e de jazz, incluindo Barbara Streisand, Miles Davis, Quincy Jones, Frank Sinatra e Aretha Franklin. Taylor venceu o National Academy of Recording Arts and Sciences Most Valuable Player Award durante cinco anos consecutivos e foi premiado com o NARAS Most Valuable Player Virtuoso Award, uma distinção nunca concedida a nenhum outro trombonista baixo. Foi membro das bandas de Gil Evans, Thad Jones-Mel Lewis, Jaco Pastorius, Charles Mingus, JJ Johnson, Joe Henderson, George Russel, Michelle Camillo, Bob Mintzer, Dave Matthews, Dave Grusin e Randy Brecker e o Words Within Music Trio (Daniel Schnyder, David Taylor, Kenny Drew Jr.) e B3 *. Já se apresentou em inúmeras gravações premiadas pelos GRAMMY Awards. David Taylor está ainda nas faculdades da Manhattan School of Music e Mannes College. Toca exclusivamente em trombones baixo Edwards e com bocais Griego/Taylor.

Henrique Costa

Tuba

Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e premiado nos Concursos Internacionais Tchaikovsky, Markneukirchen e Città di Porcia, o jovem Português Henrique dos Santos Costa tem-se destacado pela curiosidade que demonstra em explorar as capacidades artísticas do seu instrumento enquanto solista, apresentando-se regularmente com orquestra ou em recitais a solo. Aluno de Adélio Carneiro e Anne Jelle Visser é, desde 2019, Professor Assistente da Classe de Tuba na Universidade de Artes de Zurique.

Artistas Convidados a anunciar em breve

Ignition

Tuba & Clarinete

Projeto de originais criado por Gil Gonçalves (Tuba) e Paulo Bernardino (Clarinete), dois músicos criativos com carreiras a nível Nacional e internacional que partilham a mesma forma de estar na música sempre em constante descoberta de novas sonoridades. Este grupo nasce dessa curiosidade e vontade em explorar novas estéticas musicais, criando assim novos ambientes e texturas diversificadas através da eletrónica aliada a toda a capacidade técnica dos seus instrumentos. Dotado de uma sonoridade rica em influências de World Music, Funk, Jazz Rock, Afro e Música Alternativa, os Ignition apresentam-se em palco em formato de quarteto, guitarra, clarinete, tuba e bateria. Com formações nas diferentes linguagens clássica e jazzística, Gil Gonçalves e Paulo Bernardino, têm como principais referências musicais: TGB, Portico Quartet, Louis Sclavis, Michel Portal, Sons of Kemet, GoGo Penguin, Roller Trio, Radiohead Trio, entre outros. Os Ignition, com toda a sua interação têm um espetáculo eclético repleto de cores, diferentes ambientes e estilos musicais que tornam o seu concerto numa autêntica viagem sonora.

New Age Connection

Trombone

New Age Connection é um grupo constituído por 5 trombonistas portugueses atualmente a estudar na Codarts Hogeschool voor de Kunsten. Surgiram com a vontade de expandir a função do trombone na vertente de música de camera optando assim pela formação pouco usual de quinteto. Também um dos fatores que levou a criação dos New Age Connection foi a conexão que sentiram entre eles e o bom trabalho de equipa que está sempre presente. Atualmente apresentam-se com uma vasta variedade de estilos no seu repertório, desde compositores como Anton Bruckner ou Claude Debussy, passando por música latina até a musica tradicional portuguesa.

Um dos princiais objetivos dos New Age Connection é que a experiencia para o ouvinte se torne memorável de maneira a que possam continuar a poder partilhar a energia do grupo para o resto do mundo. Pretendem criar colaborações com compositores de modo a que o repertorio para este tipo de formação cresça e tendo assim obras escritas em função dos NewAge Connection.

No futuro pretendem também colaborar com diferentes áreas das artes performativas como dança, teatro, circo, entre outros, com o objetivo de criar projetos versáteis e dinâmicos.

Ensembles a anunciar em breve

Compositores a anunciar em breve

Telmo Marques

Pianista e compositor portuense, professor na ESMAE – Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto (Análise Musical e Orquestra Jazz), mantém uma atividade de concertista em recitais, ações de formação e concertos pedagógicos.

Cândido Fernandes

Cândido Fernandes é pianista acompanhador e professor de música de câmara na Escola Artística de Música do Conservatório Nacional (EAMCN), atualmente destacado pelo Ministério da Educação na Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP, I.P.), integrando o Departamento de Qualificação de Jovens. Nasceu em 1989 e em 2001 ingressou no Conservatório de Música do Porto na classe de piano da Professora Manuela Costa. É licenciado e mestre pela Escola Superior de Música de Lisboa, onde estudou com os professores Jorge Moyano e Michel Gal, e mestrado pela Universidade de Évora com a pianista Ana Telles. É também pós-graduado em Administração Escolar pelo ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa. Entre os vários prémios obtidos em piano e música de câmara, nacionais e internacionais, destaca-se o Prémio Jovens Músicos (2008) em Música de Câmara — nível superior, com o Duo XaSonaiP, do qual é membro fundador. Participou em projetos de diferentes expressões artísticas e musicais, nomeadamente Ópera, Teatro e Teatro Musical, abordando repertório erudito, pop, jazz e fado. Colabora com regularidade com a Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa e Orquestra de Câmara Portuguesa. Desde 2009, apresenta-se em concertos com o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, trabalhando diretamente com compositores na criação e registo de nova música portuguesa.

Pianistas a anunciar em breve

José Guilherme Neves

Tuba

José Guilherme Neves nasceu em 27 de abril de 2004. Iniciou no ano de 2012 o estudo de Eufónio com o professor Daniel Marques, tendo transitado para tuba no ano de 2015. Foi ainda aluno do professor Gil Gonçalves. Atualmente frequenta o 6º grau do ensino articulado no Orfeão de Leiria, na classe de tuba do professor Miguel Alves. É músico em várias formações. Já se apresentou como solista pela SAMP – Sociedade Artística e Musical dos Pousos a convite do Maestro Alberto Roque. Em 2019, apresentou-se como solista com a Orquestra Filarmonia das Beiras, em Leiria. Participou ainda em concursos nacionais e internacionais. Em 2015, obteve um 2º lugar na categoria infantil de Eufónio no Concurso Internacional de Instrumentos de Sopro “Terras de La Salette”. Em 2016, obteve o 1º lugar, neste concurso, na categoria infantil de Tuba. Concurso em que volta a obter o 1º lugar na categoria juvenil de Tuba, em 2017.

No ano de 2019 foi laureado com um 1º lugar no 1º Concurso APTE “Associação Portuguesa de Tubas e Eufónios” na categoria juvenil de Tuba. Ainda em 2019, ganhou um 1º lugar no “Grand Prize Virtuoso International Music Competition” em Bruxelas, onde tocou no Concerto de Laureados no Studio Recital Hall Bozar – Centre for Fine Arts. Tem frequentado várias Masterclasses com professores como Adélio Carneiro, Stephane Labeyrie, Eduardo Nogueroles, Luís Oliveira, Perry Hoogendijk, entre outros. Participou também no festival Gravíssimo! em 2017, 2018 e 2019 com a Direção Artística de Sérgio Carolino e Hugo Assunção, onde teve aulas e palestras com, entre outros, Gene Pokorny, Anne Jelle Visser, Shimpei Tsugita, Daniel Perantoni, Mike Forbes e Oren Marshall. Em 2019 foi selecionado para integrar o 1º estágio RCO Young pela Concertgebouw, onde trabalhou com os maestros Jim Ross e Pablo Heras-Casado. Tocou com esta formação na Concertgebouw e no Flagey Concert Hall em Bruxelas.

Jovens Talentos a anunciar em breve

Conferencistas a anunciar em breve